Untitled Document
Bom dia, 21 de abr
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Observatório de Jornalismo Ambiental

Segunda-feira, 29 de Março de 2021

 
     

Mesmo com o trabalho da imprensa, a boiada segue passando

  

Somente nos últimos dias, identificamos notícias a respeito de ataque a terras indígenas, como o incêndio que ocorreu no território do povo Tremembé, e de crimes socioambientais, como o transbordamento de uma lagoa administrada por uma mineradora de ouro

  

Captura de tela da notícia publicada na Deutsche Welle    


Por Eloisa Beling Loose*

Na semana passada, o podcast Mamilos destacou em “A boiada passou – e agora?” os vários problemas ambientais que estão sendo agravados desde que a estratégia de desmonte das políticas públicas ambientais começou a ser executada pelo governo federal. O programa aponta que, “desde o início da gestão Bolsonaro, foram assinados 57 atos legislativos que enfraqueceram as regulamentações ambientais. Quase metade deles foram assinados durante os primeiros 7 meses da pandemia de coronavírus”. A ampla repercussão que teve a reunião do dia 22 de abril de 2020, quando o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles disse que a pandemia poderia ser entendida como uma oportunidade para o governo “passar a boiada” sobre a área ambiental, já que o foco do debate público ficaria na crise sanitária, completa quase um ano, e os prejuízos, ainda que publicizados, só crescem – como fica evidente em críticas internacionais direcionadas ao Brasil.

Além do enfraquecimento da fiscalização e das políticas em prol da conservação do ambiente, o negacionismo climático e o discurso de que o desenvolvimento econômico depende da exploração dos recursos naturais sustentam medidas que colocam em risco aqueles que defendem a natureza e lutam pelo interesse coletivo. No mês passado, Michelle Bachelet, alta comissária da Organização das Nações Unidas para Direitos Humanos, criticou as ações brasileiras em relação à falta de combate ao desmatamento na Amazônia e no Pantanal – algo que já se tornou frequente no âmbito internacional – e denunciou os ataques sofridos por jornalistas e ativistas. Já que os jornalistas “fazem questão” de cobrir a destruição ambiental, torna-se necessário menosprezá-los, intimidá-los e aumentar a circulação de informações falsas, afinal, uma das maneiras de gerar dúvidas sobre o que realmente está acontecendo é desacreditar os mensageiros.

De acordo com a coluna de Jamil Chade, no Uol, Bachelet afirmou nessa ocasião que “No Brasil e outros países da Amazônia e do Pantanal, a redução da aplicação das leis ambientais durante a pandemia levou a um aumento da mineração ilegal e do corte ilegal de madeira, com impacto particularmente prejudicial sobre os povos indígenas”. Tais protestos estão relatados em uma série de acontecimentos, que periodicamente são apresentadas por diferentes veículos de imprensa, mas que não estão sendo suficientes para reverter esse quadro. Somente nos últimos dias, identificamos notícias a respeito de ataque a terras indígenas, como o incêndio que ocorreu no território do povo Tremembé, e de crimes socioambientais, como o transbordamento de uma lagoa administrada por uma mineradora de ouro, que poderia ter contaminado as água do Rio Tromaí (a empresa negou que houve rompimento de barragem ou que as águas pudessem causar algum dano), a explosão do garimpo ilegal em território ianomâmi e a ampliação da exploração ilegal no estado do Mato Grosso.

Apesar de os estudos científicos apontarem que os indígenas são os melhores guardiões das florestas e, portanto, fundamentais para a mitigação da crise climática, como revelou relatório produzido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês) nesta semana, a facilitação do avanço da boiada sobre os bens coletivos só mira o crescimento econômico. A repercussão da Agência Pública ressalta que o relatório coloca em xeque o posicionamento do presidente Bolsonaro, mas, mesmo assim, a suposta objetividade de alguns meios não deixou evidente para o público o nexo causa-consequência existente entre as políticas do governo e o desastre anunciado que segue seu curso. 

Ainda que a cobertura ambiental tenha se expandido, com um volume maior de notícias sobre a temática, como esses fatos estão sendo reportados? O trabalho da imprensa pode ser diferente? Quais são as abordagens necessárias para interromper a passagem da boiada? Para que possamos refletir!

 

* Este texto foi produzido por integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS) no âmbito do projeto de extensão "Observatório de Jornalismo Ambiental". A republicação é uma parceria com o Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul (NEJ-RS).

OJA - EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008