Untitled Document
Bom dia, 27 de nov
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Exploração de petróleo

Quarta-feira, 25 de Dezembro de 2013

 
     

Investigações sobre ativistas do Greenpeace terminam na Rússia

  

"Continuaremos nossa missão de proteger o Ártico das petrolíferas gananciosas. É um absurdo que tenhamos sido perdoados de um crime que não cometemos", diz Ana Paula Maciel

  

Greenpeace International/AFP/Arquivos, DMITRI SHAROMOV    
A finlandesa Sini Saarela, a brasileira Ana Paula Maciel e o polonês Tomasz Dziemianczuk


Por Carolina Sarres - Agência Brasil

Os 30 ativistas da organização não governamental (ONG) Greenpeace presos na Rússia por cerca de dois meses foram definitivamente libertados hoje (25) e poderão retornar aos países de origem. Entre os envolvidos no caso está a brasileira Ana Paula Maciel, 31 anos. O grupo já havia recebido anistia do governo russo no dia 18 de dezembro, mas as investigações dos envolvidos ainda não haviam sido oficialmente encerradas pelas autoridades. O Greenpeace já havia informado que esperava que os ativistas pudessem sair do país até o final do ano.
 
Para deixarem o país, os 26 ativistas não russos entrarão com pedido de visto. Uma reunião com o Serviço de Migração Federal do país está marcada para esta quarta-feira. “Nossa saga deve acabar logo, mas não existe anistia para o Ártico. A [empresa petrolífera] Gazprom acabou de começar a perfurar outra vez. Então, quando isso acabar, continuaremos nossa missão de proteger o Ártico das petrolíferas gananciosas. É um absurdo que tenhamos sido perdoados de um crime que não cometemos. Não sou culpada e nunca fui. Estou triste de deixar a Rússia enquanto nosso navio Arctic Sunrise permanece aqui. Metade de meu coração vai permanecer com ele, atracado em Murmansk”, disse a brasileira Ana Paula Maciel.
 
Os ativistas foram acusados de atos de pirataria por tentarem subir em uma plataforma petrolífera de uma empresa russa próximo ao Ártico em setembro, em protesto contra a exploração de gás na região. Posteriormente, a acusação foi alterada para vandalismo. No final de novembro, com o fim do prazo da prisão preventiva decretada pela Justiça, os ativistas foram libertados sob pagamento de fiança.
“Este é o dia que estávamos esperando desde que nosso navio Arctic Sunrise foi ocupado por Forças Armadas mais de três meses atrás. Estou feliz e aliviado de que as acusações tenham sido derrubadas, mas não deveríamos ter sido acusados de nada”, explicou o capitão do navio, o norte-americano Peter Willcox.
 
Agência Brasil - EcoAgência

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008