Untitled Document
Boa tarde, 10 de dez
Untitled Document
Untitled Document
  
EcoAgência > Notícia
   
Agroecologia

Terça-feira, 01 de Outubro de 2019

 
     

Família Bellé lança Tempero Quatro Estações

  

O novo produto é feito com uma variedade de 15 a 30 espécies de folhas de frutas nativas, algumas folhas de batata ou legumes e Plantas Alimentícias Não Convencionais (Pancs), além de ervas medicinais e aromáticas.

  

Adriane Bertoglio Rodrigues    


Por Jornalista Adriane Bertoglio Rodrigues, especial para a EcoAgência de Notícias

Incorporar sabor e nutrientes de plantas nativas na alimentação das pessoas. Com esse objetivo, a família Bellé, de Antônio Prado, lançou, neste mês de setembro, o Tempero Quatro Estações. O novo produto, apresentado na Feira dos Agricultores Ecologistas (FAE), no bairro Bonfim, em Porto Alegre, é feito com uma variedade de 15 a 30 espécies de folhas de frutas nativas, algumas folhas de batata ou legumes e Plantas Alimentícias Não Convencionais (Pancs), além de ervas medicinais e aromáticas.
 
“Cada Estação tem uma pegada, um mix de ervas diferentes”, explica Franciele Bellé, ao salientar que “sempre gostei muito de trabalhar com temperos”. Hoje com 25 anos e mãe de Angélica (7 anos), Diego (5) e Roberta (4), Franciele, aos 18 anos, aprendeu a fazer desidratados durante curso no Instituto Federal de Bento Gonçalves.

De lá para cá, inovou os suplementos feitos pela sua mãe, Aldaci Menoncin Belle, com ervas aromáticas e Pancs, e, há cerca de um ano, após incentivo da estudante de Gastronomia Márcia Tamioso, que sugeriu desenvolver um produto comercial com as Pancs, somado aos pedidos dos visitantes da propriedade da família, passou a comercializar as ervas e temperos nas feiras. “Cada lote que fazia, mais plantas surgiam, chegando a ter 105 plantas diferentes no mesmo tempero”, lembra a agricultora.
 
SABORES E AROMAS
Cada tempero tem um toque especial, que lembra as estações. O Tempero Primavera, que inicia a coleção, tem um toque floral, feito com pétalas de flores esmagadas e um tempero mais suave; o Verão é feito com folhas cítricas e remete a um sabor mais fresco; o Tempero Outono é mais forte, defumado, com folhas vermelhas ou amarelas, mais outonal; e o Inverno é um tempero terroso e encorpado.

Entre as plantas utilizadas por Franciele na elaboração dos temperos estão folhas de abóbora e chuchu, trapoeraba, picão perto e branco, língua de vaca, trevos, bandana, tansagem e folha de fava.
 
TENDÊNCIA FLORAL
Mas a família Bellé não produz apenas ervas. As flores têm chamado a atenção dos consumidores. Coloridas e muitas vezes perfumadas, as flores têm registrado aumento da procura. 
 
Ao celebrar essa aceitação pelos consumidores e clientes da feira, Franciele recorda que começou a trabalhar com flores em 2015, durante a gestação de Roberta. “Estava me sentindo enjoada e sem apetite durante um evento regional de estudantes de Biologia, quando me apresentaram as flores, e acabou sendo a forma de me devolver o apetite. Foi quando reaprendi a comer”, diz. “A partir disso, começamos a trabalhar com flores, o que é um processo muito lindo. Comecei a plantar para mim, e hoje, cada vez mais, não só os consumidores, mas os chefs de gastronomia estão encomendando e comprando”, avalia.
 
Franciele diz acreditar que a produção e o consumo de flores são uma tendência crescente. A família Bellé fornece flores para mais de 30 restaurantes somente em Porto Alegre, o que representa em torno de 130 bandejas de flores por feira. “Já levamos para a feira mais de 200 bandejas, todas vendidas”, comemora.
 
Entre as espécies de flores produzidas e comercializadas pelos Bellé estão gerânio, amor perfeito, nabo forrageiro, vica peluda, laranjeira, fava, abóbora, rúcula, cereja, pêssego, pera e de pancs. Os temperos, bem como flores comestíveis, podem ser adquiridos na banca da Família Bellé aos sábados, em Porto Alegre, na quadra da FAE, das 7h às 13h.
 
Neste espaço, a família Bellé oferece ainda sucos de frutas nativas, como aracá, acerola, butiá, guabirova, uvaia, amora, jabuticaba e cereja. “Valorizamos a cultura local e o que a natureza nos oferece”, conclui Franciele.
 
 
EcoAgência Solidária de Notícias Ambientais

  
  
  
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
 
Mais Lidas
  
Untitled Document
 
 
 
  
  
  
  
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008