Untitled Document
Bom dia, 30 de nov
Untitled Document
Untitled Document
  
Untitled Document
EcoAgência > Artigos
    
 
Quarta-feira, 07 de Outubro de 2009
  
Estará chegando o tempo da energia eólica no Brasil?

Sua aplicação sempre foi considerada “cara”, mas o levantamento feito pela Eletrobras prova o contrário: a energia eólica é mais barata que as usinas térmicas a gás e a diesel.
 

  
Por Ricardo Young
  

Um estudo elaborado pela Eletrobrás – cuja íntegra será divulgada só em novembro – pode contribuir decisivamente para impulsionar o uso de energia eólica no Brasil. Sua aplicação sempre foi considerada “cara”, mas o levantamento feito pela estatal prova o contrário: a energia eólica é mais barata que as usinas térmicas a gás e a diesel.

O investimento inicial é alto, mas bastam dez dias para ele começar a ser mais compensador do que o investimento feito em energia térmica. E o estudo ainda demonstra que a geração de energia eólica precisa de dois meses para ficar mais barata do que aquela gerada por outras fontes. Será que esta constatação feita pela própria Eletrobrás vai finalmente incentivar a elaboração de um plano de longo prazo para utilização em larga escala da energia eólica?

Atualmente, ela representa menos de 1% da matriz energética nacional, com potência instalada de 547 megawatts/ano. As usinas localizam-se principalmente no Nordeste e no Sul do país, locais onde o regime de ventos é mais propício a este tipo de atividade. Até o final de 2010, estima-se que o potencial instalado chegue a 1300 megawatts/ano. A capacidade instalada no Brasil hoje é de pouco mais de 100 mil megawatts e vai chegar a 130 mil megawatts em 2013.

A hidreletricidade representa, hoje, 80% da matriz energética. Os restantes 20% estão divididos entre usinas térmicas a carvão, diesel e gás, (12%), pequenas centrais e fontes alternativas (8%). Antes da divulgação deste estudo, previa-se para 2013, o crescimento das térmicas tradicionais de 12 para 21% na participação da matriz; e de 4,5% das pequenas centrais – cuja geração virá da biomassa. As hidrelétricas tradicionais deverão recuar sua participação para 69% e a energia eólica deverá manter seu percentual de participação em torno de 1%.

Estes dados são preocupantes porque mostra uma tendência de “sujar” a matriz energética, justamente num momento em que é preciso investir alto em fontes que nos levem a uma economia de baixo carbono. Se as usinas têm baixo custo de instalação, sua manutenção é cara e tende a se tornar cada vez mais cara, porque será preciso controlar as emissões de poluentes. Por sua vez, como mostra o estudo da Eletrobrás, a energia eólica é uma alternativa competitiva e que, até o momento, não está sendo considerada com o devido cuidado. Se todo o potencial eólico brasileiro fosse convertido em energia, teríamos a geração de 272 terawatts/hora por ano (1 terawatt = 1 trilhão de watts), ou a metade do nosso consumo anual. E mais: nossos períodos de seca, quando os reservatórios estão baixos, coincidem com as épocas nas quais os melhores ventos sopram por aqui. Assim, se tivéssemos usinas eólicas instaladas à força plena, poderíamos usá-las, em vez de queimar combustível e sujar o meio ambiente com as térmicas (a opção disponível para estas ocasiões).

Este estudo da Eletrobrás apontou outra dificuldade, além do custo, para a aplicação em larga escala da energia eólica no país: a falta de cultura sobre o tema. A sociedade não se preocupa com as questões vinculadas à energia – a não ser quando precisa economizar – e, no caso específico da eólica, os engenheiros, pesquisadores e outros especialistas sobre o tema acabam deixando o país para trabalhar em outros lugares. Assim, um programa não avança porque a tecnologia é cara. A tecnologia é cara porque não há incentivo à pesquisa. Sem pesquisa, não há pesquisadores e vamos queimando diesel em arcaicas usinas térmicas (de fato, qualquer máquina a combustível fóssil será também fóssil em breve!).

Não é de uma hora para outra que vamos prescindir das termelétricas. Mas é preciso planejar a obsolescência delas ao mesmo tempo em que se instalam as novas usinas eólicas. Esta mudança implica levantamento minucioso de custos e também uma “licença social” para ocorrer, já que será preciso descontinuar cadeias produtivas antigas em favor de outras voltadas para a energia alternativa. Como fazer isso de maneira sustentável e democrática, levando em conta os interesses de todas as partes envolvidas?
Peter Senge, chefe do Centro de Aprendizagem do MIT, nos EUA, e autor de “A Quinta Disciplina”, lançou recentemente um livro para tratar justamente de como empresas, governos e sociedade civil podem estimular a busca por tecnologias que não agridam o meio ambiente. “A Revolução Necessária” - este é o nome do livro – prega que as soluções precisam ser construídas com trabalho conjunto em todos os níveis, em equipes que reúnam indústrias, comunidades e cadeias de abastecimento globais, para que realmente funcionem a favor da sustentabilidade. Senge cita o exemplo do governo estadunidense que estabeleceu por decreto a utilização do milho para fabricar etanol, como forma de diminuir a dependência do país em relação ao petróleo. A decisão acarretou um forte impacto na agricultura e nos negócios agrícolas em todo o mundo. “Não seria mais indicado firmar parcerias com empresas e universidades para buscar uma alternativa realmente sustentável?”, pergunta Senge.

Na questão do uso da energia eólica, e em outros que envolvem o desenvolvimento sustentável, o dilema da transição é o mesmo descrito por Senge: estabelecer parcerias que trabalhem para criar o mundo novo de que tanto necessitamos.

* Ricardo Young é presidente do Instituto Ethos.

 


Envolverde - EcoAgência

  
             
Untitled Document
Autorizada a reprodução, citando-se a fonte.
           
 
 
  
  
  Untitled Document
 
 
Portal do Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul - Todos os Direitos reservados - 2008